Só um minuto...

Pesquisa revela possibilidade de comunicação segura de baixa latência com 5G

Possibilidade será decisivo na digitalização da industria

Um novo estudo publicado pelo portal Brecha Zero da 5G Americas constatou que as redes 5G estão sendo construídas com uma arquitetura que suportará a categoria de serviço URLLC (Ultra confiável e baixa latência de comunicação). A URLLC dará suporte para uma série de serviços avançados em dispositivos conectados sensíveis à latência para habilitar aplicativos em um amplo espectro, como automação de fábrica, condução autônoma, Internet industrial e rede inteligente. Isso é explicado pelo estudo.

“As redes móveis e as indústrias verticais estão passando por uma importante transformação tecnológica, auxiliada por recursos críticos de comunicação em termos de baixa latência e alta confiabilidade, especialmente nos setores de assistência médica, automotivo, automação industrial, energia, saúde e entretenimento. Como as primeiras implementações comerciais da 5G se concentram em casos da banda larga móvel aprimorada, o futuro está se preparando para casos de uso que possam contar com confiabilidade ultra alta e características de baixa latência “, explicou José Otero, Vice-presidente da 5G Américas para a América Latina e o Caribe.

Batizado de “Novos serviços e aplicativos com comunicações ultra confiáveis e baixa latência com 5G”, o estudo detalha os princípios para alcançar a URLLC, explica a necessidade de uma nova abordagem e destaca os principais requisitos dos serviços da URLLC. Além disso, são descritos os próximos casos de uso de URLLC em transporte inteligente, automação de indústria, tele cirurgia, e os requisitos de latência e confiabilidade para essas aplicações.

A baixa latência é um ingrediente crucial para garantir que os aplicativos sejam utilizáveis e interativos, quer a comunicação ocorra de humano para humano, de humano para máquina ou de máquina para máquina. Este relatório apresenta uma breve descrição dos aplicativos emergentes, desafios de design e possíveis abordagens no design de URLLC. O relatório completo pode ser acessado neste link.